• O Ministério Público entrou com ação civil pública contra a prefeita Regina Dubay e quatro servidores comissionados.

    Motivo? O caso conhecido como "mensalinho", onde comissionados tinham que passar parte de seus salários para um "caixinha".

    O Gaeco já tinha entrado com a ação criminal, agora o MP de Campo Mourão entrou com a ação civil por improbidade administrativa.

    Segundo o promotor Marcos Porto Soares, a principal finalidade era pagar advogados contratados em ações eleitorais da prefeita.

    Se houver condenação, Regina pode perder o mandato.

    Xiiiiiiii...

    .

    Veja trecho da ação

    “Como vimos os requeridos agiram em conjunto e com o mesmo intuito de obter vantagem indevida para proveito próprio e alheio, seja para o pagamento de honorários advocatícios e outros eventos. Isso é fruto do patrimonialismo, onde não se promove a separação entre os meios de administração e os funcionários e governantes, fazendo com que estes tenham acesso privilegiado à estrutura e à riqueza públicas para a exploração a partir de suas posições e cargos”.

    Marcos José Porto Soares, promotor de Justiça.

  • Depois de muito tempo bem esquecidinho, o Cemitério Municipal de Campo Mourão voltou a ter atenção da prefeitura.

    Toda a parte esquerda, para quem entrada pelo portão principal, está ganhando grama esmeraldo nas ruas.

    E duas "ruas principais" terão revestimento com paver.

    Segundo a prefeitura, no ano que vem a melhoria será levada para o outro lado do "campo santo".

    Ah, assim dá gosto morrer... 

  • A foto mostra os dois quadros do ex-prefeito Tauillo Tezelli na "galeria dos ex-prefeitos" que a prefeitura inaugurou em junho no hall de entrada do Paço Municipal 10 de Outubro. Há um errinho aí. As fotos estão invertidas. Foi ao iniciar o primeiro mandato, em 1997, que Tauillo usava esses óculos maiores.

  • "Assim que decidiram minha cassação, ouvi vários rojões próximo à prefeitura. Quem vocês acham que soltou esses rojões? Por qual motivo?"

    Pedrinho Nespolo (SD), vereador que teve mandato cassado na sessão desta terça-feira, em postagem no Facebook, na madrugada desta quarta-feira.

    Foto: www.tasabendo.com 

  • Pioneiros do handebol em Campo Mourão se reuniram nesta terça-feira para anunciar um "jantar de gala" do esporte.

    Será em maio do ano que vem, para marcar os 40 anos do início da modalidade na cidade.

    Aí não faltaram histórias, como a de Jair Grasso, lembrando o primeiro jogo de Campo Mourão em Curitiba, pelos Jogos Colegiais, quando levou de 27 a 7.

    Ou a façanha de Gilmar Fuzetto, que os Japs de 1975 foi medalha de ouro no futsal e de bronze no handebol.

    E a primeira vez que Campo Mourão sediou jogos regionais de handebol, com partidas disputadas num armazém da Coamo.

    Ô dureza!...

  • Paraná - ofertas

  • ...assassinatos foram registrados este ano em Campo Mourão. A 29.a vítima é um homem de 43 anos, que foi esfaqueado sábado, na Vila Guarujá, e morreu nesta terça-feira, na Santa Casa.

  • Unicesumar - rosa

  • A cassação de Pedrinho Nespolo entra em vigor quando for publicada a portaria aprovada nesta terça-feira.

    Isso deve acontecer na sexta-feira, quando sai o próximo "Órgão Oficial".

    A partir daí a Câmara convocará o primeiro suplente, que é o ex-vereador Edson Lima (atual gerente da Sanepar).

    Já a presidência fica com a primeira vice-presidente Nelita Piacentini. 

    A Câmara vai eleger um novo presidente e uma nova mesa diretora no dia 9 de dezembro.

  • Sicredi - Safra

  • "O Pedrinho disse que não recebeu documentos... Gente, que mentira!"
    Sidnei Jardim (PPS)

    .

    "Fala pro povo que o corregedor engavetou sua denúncia. Se exibe agora!"
    Professora Vilma (PT), para Pedrinho Nespolo (SD)

    .

    "Vossa excelência fique quieta aí, por favor".
    Eraldo Teodoro (PMDB), ao negar apartes pedidos com insistência pelo vereador Luiz Alfredo (PT do B).

    .

    "Não troco meus advogados pelo promotor do patrimônio público, que já mostrou que não merece o cargo que ocupa".
    Pedrinho Nespolo (SD)

    .

    "O senhor já foi cassado e não pode votar".
    Jorge Pereira (PR), após Pedrinho Nespolo (SD) anunciar que votaria contra projeto dele, o primeiro a ser votado após a aprovação da cassação.

  • Não faltou bate-boca durante a sessão que votou a cassação do presidente Pedrinho Nespolo.

    Num deles, Olivino Custódio interrompeu o discuso de Sidnei Jardim chamando-o de "mentiroso".

    "Mentiroso é o senhor", rebateu Jardim.

    A discussão prosseguiu mesmo com o microfone de Olivino desligado a pedido de Toninho Machado, que presidia a sessão. 

    Até a assessora de Olivino entrou no bate-boca, com gritos de "mentiroso" das galerias.

    A assessora acabou retirada do local pela PM.

  • O vereador Sidnei Jardim disse que Pedrinho Nespolo cometeu improbidade administrativa quando processou a imprensa usando advogado e dinheiro da Câmara.

    Segundo ele, não é justo usar estrutura pública para entrar com ações enquanto os réus terão que pagar do bolso por suas defesas.

    "Político tem que ser igual ao povo e o povo não tem advogado pago com dinheiro púlbico", destacou.

  • A vereadora Professora Vilma se irritou com o discurso de Pedrinho Nespolo antes da votação do pedido de cassação.

    "Eu não iria falar, mas está parecendo que nós somos bandidos e o Pedrinho vai acabar saindo de bom moço na capa do jornal", ressaltou. 

    Segundo ela, Nespolo estava se fazendo de vítima, "mas de bobo não tem nada".

    "O senhor não nos ouviu. Esta casa não é sua, é do povo da cidade", completou.

  • O vereador Isidoro Moraes votou contra a cassação de Pedrinho Nespolo.

    Antes, ao discursar, disse que não iria defender o presidente, mas não achava justa a cassação.

    "O Pedrinho teria que ser puido, mas não desta forma", ressaltou.

    Ele chegou a citar que a pena poderia ser uma advertência e o ressarcimento dos cofres públicos.

    "Essa seria uma forma mais justa", completou.

  • O vereador Luiz Alfredo foi um dos três que votaram contra a cassação do presidente Pedrinho Nesplo.

    Disse que não viu nenhum indício de improbidade nem de falta de decoro parlamentar.

    Ele lembrou que o julgamento da Câmara é político.

    "Acho que o Pedro é vítima de orientação jurídica que recebeu", destacou.

    Hummmmmm...

  • Quando o vereador Edilson Martins usou a palavra, a família Nespolo fez questou de ficar bem à frente dele. A mãe do presidente Pedrinho Nespolo foi a primeira que se posicionou, fazendo sinal que Martins deveria falar olhando no olho dela. Nespolo ficou ao lado da mãe e em seguida o pai dele também se aproximou. Tanto pai quanto mãe acabaram passando mal, o que gerou um tumulto só controlado com a chegada da Polícia Militar.

  • O vereador Olivino Custódio disse em discurso que foi traído pelos colegas da Comissão de Legislação e Redação.

    "Fui enganado pelos meus próprios colegas", frisou.

    Além de Olivino, a CLR tem Sidnei Jardim e Edilson Martins como membros.

    "Não posso confiar nesses vereadores", afirmou.

    Martins discursou em seguida e disse que foi Olivino quem traiu a prefeita Regina Dubay. 

    "Quem fala o que quer, ouve o que não quer", destacou. 

  • O presidente Pedrinho Nespolo discursou no fim da sessão da Câmara, depois de já ter sido aprovada a cassação de seu mandato.

    Com a voz embargada, ele voltou a dizer que tem "convicção" de que conseguirá o mandato de volta através do Judiciário.

    "Pela quantidade de bobagem que ouvi aqui, vai ser prazeroso voltar a esta casa", frisou.

    Nespolo teve o mandato cassado por 9 votos a 3.

  • O presidente da Câmara, Pedrinho Nespolo, teve o mandato cassado na sessão da Câmara desta terça-feira.

    Nove vereadores votaram a favor da cassação e três contra.

    O vereador foi acusado de usar estrutura e dinheiro da Câmara para entrar com ações que seriam de interesse pessoal.

    A denúncia contra ele foi feita pelo servidor Osmar Espáia Brasa.

    Nespolo avisou que que recorrer à Justiça para tentar recuperar o mandato.

    .

    Como votaram

    A favor da cassação
    Edílson Martins (PSD)
    Elvira Schen (PPS)
    Edson Battilani (PPS)
    Eraldo Teodoro (PMDB)
    Jorge Pereira (PR)
    Nelita Piacentini (PSD)
    Professora Vilma (PT)
    Sidnei Jardim (PPS)
    Toninho Machado (PR)

    Contra a cassação
    Isidoro Moraes (PP)
    Luiz Alfredo (PT do B)
    Olvino Custódio (PR)

  • Quatro policiais militares acompanharam a sessão da Câmara desta terça-feira.

    Eles chegaram depois de tumulto que paralisou a sesssão por cerca de 10 minutos.

    Foi durante discurso do vereador Edilson Martins, que citou postagens do Facebook feitas por familiares de Nespolo.

    O pai e a mãe do vereador ficaram em pé na frente de Martins, ouvindo o dicurso.

    Quando o pai de Pedrinho foi ao chão, passando mal, parte do público invadiu o plenário, interrompendo a sessão.

    Com a chegada da PM a coisa se acalmou e Martins concluiu sua fala. 

  • O governo do Estado vai liberar financiamento de R$ 7 milhões para asfalto novo e recape em Campo Mourão.

    O pedido foi assinado nesta terça-feira pela prefeita Regina Dubay e pelo deputado Douglas Fabrício.

    O secretário de Desenvolvimento Urbano , João Carlos Ortega, recebeu os dois.

    São R$ 4,3 milhões para recape e R$ 2,7 milhões para asfalto novo.

    A prefeitura irá indicar, em projeto, as ruas e avenidas que serão pavimentadas e recuperadas.

    Ah, a buraqueira não contava com essa...

  • O deputado Douglas Fabrício criticou a anunciada visita do ministro dos Transportes, Paulo Passos, a Campo Mourão.

    A crítica foi feita em discurso na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira.

    O ministro vem para falar do asfaltamento da rodovia Campo Mourão - Roncador - Palmital.

    "Essa é a quarta vez, em quatro anos, que o governo do PT anuncia essa obra e mais uma vez, em véspera de eleição”, frisou o deputado.

    Douglas chegou a fazer um resumo dos outros anúncios da obra, que está licitada, mas que estava "travada" no TCU.

    O deputado do PPS faz campanha para o presidenciável Aécio Neves.

    .

    O que foi dito

    “Que seja a última vez que esse povo vá lá anunciar esse asfalto. Se ganharem a eleição, que façam. Se perderem, que vão lá e peçam perdão para o povo”.

    Douglas Fabrício (PPS), deputado estadual, em discurso na Assembleia Legislativa, sobre a visita que o ministro dos Transportes, Paulo Passos, fará quinta-feira a Campo Mourão.

blz.com.br